domingo, 22 de fevereiro de 2009

O mar, misterioso mar

Sônia Araripe

Que me perdoe a turma dissidente. Mas nove em cada 10 foliões elegeram o samba enredo da tradicional Império Serrano como o melhor deste Carnaval. Com um "pequeno" detalhe: é reedição do Carnaval de 1976, tendo havido apenas alteração no título, para adequação à releitura realizada pela Carnavalesca Márcia Lage.

Nosso "grito" momesco com a belíssima letra do samba de Vicente Matos, Dinoel e Veloso. Quem viu, naquela época, Clara Nunes cantando o sucesso nunca mais se esqueceu!



O mar, misterioso mar


Que vem do horizonte

É o berço das sereias

Lendário e fascinante

Olha o canto da sereia

Ialaô, okê, ialoá

Em noite de lua cheia

Ouço a sereia cantar

E o luar sorrindo

Então se encanta

Com a doce melodia

Os madrigais vão despertar

Ela mora no mar
BIS

Ela brinca na areia

No balanço das ondas

A paz ela semeia

Toda corte engalanada

Transformando o mar em flor

Vê o Império enamorado

Chegar à morada do amor

Ogunté, Marabô
BIS

Caiala e Sobá

Oloxum, Inaê

Janaína e Iemanjá

São rainhas do mar

2 comentários:

Cid disse...

Fantástica Sonia,

Parabéns pelo sucesso da Plurale, tanto como revista convencional, como excelente tratamento em midia eletrônica.

Emito meu comentário, quanto à reedição de samba-enredo do Império Serrano.

"Pequeno detalhe" ... exatamente, reside aí o problema.

Sou, definitivamente, contrário à permissão de que as Escolas de Samba reeditem sambas antigos.

O samba foi bom, teve seu sucesso e, assim, já encontra-se registrado na História Musical do Carnaval. Não há necessidade de reeditá-lo.

Já imaginou se num determinado ano, TODAS as Escolas de Samba decidissem em reapresentar sambas-enredo antigos?

Na minha opinião, isto representaria a falência do processo criativo dos autores das Escolas de Samba.

Concluo, afirmando que o item do regulamento que permite as reedições de sambas-enredo deva ser, sumariamente, ELIMINADO.

Abraços,

Cid

LF disse...

Olá Sonia Araripe, belíssima intervenção em nome do samba de todo todos nós. Foi muito bom reencontrá-la desta forma. Abraços fraternos. LF